publicidade

Esportes

Mano comenta cartões dado pela arbitragem e expulsão: "Fui pelo jogo passado"

por Neison Cerqueira no dia 17 de October de 2020 às 11:30
Foto: Felipe Santana / EC Bahia

O empate em 1 a 1 com o Goiás serviu para o Bahia somar mais um ponto e deixar o Z4, voltando para a 16ª colocação, mas evidenciou outras duas questões: o pífio futebol apresentado pela equipe e polêmicas com a arbitragem. O técnico Mano Menezes, que foi expulso paós oa pito final, falou da partida e comentou sobre o vermelho dado pelo juiz.

Para ele, a expulsão se deu como uma espécie de punição retroativa por causa do comportamento que teve na rodada passada, na partida contra o Fluminense, quando chamou o árbitro do duelo de “vagabundo”.

O árbitro do jogo, Rodrigo Carvalhaes de Miranda, saiu distribuindo cartões e já havia expulsado seu auxiliar, Sidnei Lobo, além dos atacantes Élber e Rossi. Após o jogo, Mano comentou os episódios. "Penso que fui expulso pelo jogo passado. É claro que fui expulso pelo jogo passado. Porque fui expulso depois de um jogo que tínhamos acabado de empatar e que estava feliz com o comportamento da equipe. Não podia ter falado algo para ser expulso. Mas o quatro árbitro, desde o início do jogo, sempre teve atitude provocadora na situação. Ele expulsou Sidnei e ficou me olhando firmemente, esperando uma reação minha, para que chamasse o árbitro. Eu não dei o gostinho a ele, porque sabia que hoje as coisas seriam muito mais rigorosas", afirmou o comandante Tricolor.

Mano seguiu: "Eu assisti ao jogo do Flamengo ontem contra o Bragantino. Durante todo o tempo, falando sobre os treinadores, sobre minha atitude. Tem muito ex-árbitro falando e pouco treinador falando para defender treinador. O futebol tem que ter um equilíbrio nas forças", avaliou.

O treinador saiu em defesa do atacante Élber, que foi expulso depois de reclamar com a arbitragem algo que não foi possível captar. Ele usou essa situação como exemplo e disse que Élber sofreu uma falta quando puxava o contra-ataque. "Porque fica parecendo que o problema da arbitragem brasileira passa somente pelos treinadores de futebol. Sempre se escolhe alguém para Cristo. Principalmente quando alguém assume publicamente o erro. Acho que a gente pode melhorar o ambiente do futebol como um todo, mas não pode acontecer coisas que aconteceram hoje aqui. Para um lado, temos um tipo de interpretação e, para o outro lado, temos outro tipo de interpretação. O lance do Élber, por exemplo, é um exemplo disso. Élber estava puxando um contra-ataque, está à frente do jogador do Goiás. Não tem como Élber não ter sofrido aquela falta. E aí o árbitro não marca a falta e ainda vai lá, na reação do jogador, e apresenta cartão vermelho. Então, assim, são muitas coisas que aconteceram aqui que precisam ser analisadas para a qualidade do jogo que todos querem. E nós, treinadores, também queremos", disse Mano.

O Bahia, com 16 pontos em 16 jogos, é o 16º colocado na tábua de classificação e joga na próxima segunda-feira (19) contra o atual líder, Atlético Mineiro,  às 20h, em Pituaçu, em partida válida pela 17ª rodada do Brasileirão. 

 

LEIA TAMBÉM:

Brasil registra 152.541 mortes por Covid-19, diz consórcio de imprensa

Notícias: Esportes

publicidade

publicidade

© Copyright 2018 - Radar da Bahia - Grupo Radar