publicidade

Eleições 2020

Prefeituráveis apostam em trajetória de vida na estreia do programa eleitoral

por Neison Cerqueira no dia 09 de October de 2020 às 15:00
Foto: Reprodução / O Cafezinho

Foi ao ar nesta sexta-feira (9), no rádio e na TV, o primeiro dia de propaganda eleitoral gratuita com os candidatos à Prefeitura de Salvador. Todos focaram em sua trajétória de vida, com o intuito de se apresentar aos eleitores.

Alguns pontos chamaram atenção, mas nada de absurdo: Bruno Reis (DEM) deu continuidade ao atual governo e contou com a participação do prefeito, ACM Neto (DEM), enquanto a deputada estadual Olívia Santana (PCdoB) criticou o ACM avô. No programa da candidata pelo PT, Major Denice, foi percebida a ausência do governador Rui Costa (PT).

Com pagodão no fundo, Bruno Reis aproveitou para criar uma identificação maior com o "povão"; Bruno, que foi secretário de Infraestutura e Obras e vice-prefeito, falou da infância e da perda precoce dos pais. ACM Neto utilizou um discurso contundente e depositou a confiança no amigo. A peça também contou a presença de sua vice, Ana Paula Matos (PDT). Os dois contaram como se conheceram e também toda a trajetória academia e política entre os amigos. Ana Paula é vista como uma pessoa de extrema confiança do democrata. "Resiliência" e "força" foram algumas das qualidades citadas por Bruno Reis.

O candidato Celsinho Cotrim (PROS) criticou a alta no desemprego, que foi impulsionada pela crise sanitária causada pela Covid-19, e destacou a criação do SIMM, quando fez parte do governo de João Henrique. "Vou tirar Salvador dessa situação, como tirei em 2004", disse.

A deputada estadual Olívia Santana contou sua história na infância. Relembrou o despejo sofrido quando morava em Ondina e destacou que o fato ocorreu no governo de ACM, avô do atual prefeito. No rádio, Olívia atacou adversários e criticou Denice. "Tem candidato que tem experiência e não tem sensibilidade e tem aqueles que tem sensibilidade, mas não tem experiência", disse. Ela também lembrou de suas passagens por secretarias do município e estado.

Pastor Isidório (AVANTE) e Eleusa Coronel (PSD) tiveram pouco mais de 1 minuto e aproveitaram o tempo para divulgar o trabalho do religioso na Fundação Dr. Jesus, trabalho terapêutico feito para dependentes químicos. "Vamos Cuidar de Gente", disse Eleusa, citando o slogan da campanha.

Major Denice apostou no intimismo e em se apresentar para aqueles que ainda não a conhecem. Tentou usar a simpatia e se apoiou na criação da Ronda Maria da Penha. Essa é a principal aposta capitalizar votos em Salvador. Ela contou sua história na Polícia Militar, por onde ingressou com 18 e ficou por 30 anos. O que chamou atenção foi a ausência do governador Rui Costa (PT), principal cabo eleitoral. Em presquisa realizada recentemente, o petista aparece com alto índice de aprovação na capital baiana. Destaca-se também a ausência do vermelho com cor principal da campanha do PT que muito se viu durante anos. A ideia seja talvez desassociar a imagem carregada do partido nos últimos anos.

O deputado Bacelar (Podemos), com apenas 35 segundo, resumiu contar sobre o currículo do ex-secretário de Educação, que foi vereador por quatro mandatos na capital, passando pela presidência da Câmara. Segundo ele, a intenção agora é "colocar toda a sua experiência" à disposição dos soteropolitanos.

Os candidatos Hilton Coelho (PSOL), Cezar Leite (PROS) e Rodrigo Oliveira (PCO), não apareceram na TV. O primeiro, em programa de rádio, destacou, ao som do tradicional reggae de Edson Gomes, o objetivo de fazer um mandato de "resistência" e aposto novamente no conhecido jingle interpretado pelo rei do reggae no Brasil. Os outros dois citados não tiveram tempo para propaganda em nenhuma das duas plataformas, conforme definido pelos critérios do Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

 

LEIA TAMBÉM:

PF investiga transações financeiras entre blogueiro bolsonarista e assessores de Damares

Notícias: Eleições 2020

publicidade

publicidade

© Copyright 2018 - Radar da Bahia - Grupo Radar