publicidade

Esportes

Bellintani: quebra de contrato da Globo com a FERJ é 'chance única' de mudança no futebol

por Neison Cerqueira no dia 03 de July de 2020 às 08:40
Foto: Arquivo Pessoal

O presidente do Bahia, Guilherme Bellintani, comentou sobre a rescisão de contrato de transmissão da Globo do Campeonato Carioca. Segundo o dirigente, a ação pode provocar mudanças mais profundas no calendário do futebol nacional. 

Em sequência de postagens no Twitter, Bellintani explicou sua posição. Sobre a Globo, segundo Bellintani, "a retirada dos investimentos nos estaduais é desejo antigo da Globo, que agora parece ter encontrado o momento certo. Confirmado o Carioca, faltará o Paulista. Os demais já estavam com desinvestimento programado. Que bom viver isso, mesmo de um jeito atravessado. A chance é única", diz um trecho da postagem.

O presidente diz que há possibilidade do Futebol brasileiro passa por impressionante oportunidade de mudança". "Direitos do mandante, streaming, calendário ameaçado, contratos cancelados, coronavírus, PIB negativo. (...) A chance é única. Não é razoável que os clubes mantenham zumbis esportivos e comerciais em nome de um dinheirinho de curto prazo. Talvez nós, clubes, tenhamos que agradecer à Globo mais adiante por fazer esse movimento. Cultuar zumbis esportivos é sermos zumbis esportivos. Com calendário 2020 invadindo 2021, é o momento de transformarmos os estaduais em competições de acesso para os clubes pequenos e de revelação de atletas para médios/grandes", escreveu. 

Bellintani também expôs sua posição sobre uma possível mudança em relação ao Campeonato Brasileiro. "Alguns clubes brasileiros sonham se tornar globais jogando estaduais. É como o Barcelona jogar o campeonato da Catalunha. Quando um clube usa time reserva no Brasileiro para jogar Libertadores, ele faz isso porque jogou o Estadual. Algo parece estar fora da ordem há muito tempo. Um Brasileirão de 9 meses com pré-temporada de 40 dias deixaria tudo melhor", postou. 

Confira a sequência na íntegra:

"Teoria do Caos. Futebol brasileiro passa por impressionante oportunidade de mudança. Direitos do mandante, streaming, calendário ameaçado, contratos cancelados, coronavírus, PIB negativo. A Teoria do Caos parece chegar ao futebol. A seguir, Efeitos Borboletas e possíveis tufões. 

A retirada dos investimentos nos estaduais é desejo antigo da Globo, que agora parece ter encontrado o momento certo. Confirmado o Carioca, faltará o Paulista. Os demais já estavam com desinvestimento programado. Que bom viver isso, mesmo de um jeito atravessado. A chance é única. 

Não é razoável que os clubes mantenham zumbis esportivos e comerciais em nome de um dinheirinho de curto prazo. Talvez nós, clubes, tenhamos que agradecer à Globo mais adiante por fazer esse movimento. Cultuar zumbis esportivos é sermos zumbis esportivos. 

Com calendário 2020 invadindo 2021, é o momento de transformarmos os estaduais em competições de acesso para os clubes pequenos e de revelação de atletas para médios/grandes. Bahia e Vitória já decidiram que jogarão Baiano só com jovens que precisam mostrar talento. Alguns clubes brasileiros sonham se tornar globais jogando estaduais. É como o Barcelona jogar o campeonato da Catalunha. 

Quando um clube usa time reserva no Brasileiro para jogar Libertadores ele faz isso porque jogou o Estadual. Algo parece estar fora da ordem há muito tempo. Um Brasileirão de 9 meses com pré-temporada de 40 dias deixaria tudo melhor. E eu troco fácil um título estadual por 3 pontos a mais no Brasileirão, em vez de precisar poupar titular. 

Clubes nacionais nunca serão mundiais jogando estaduais. Essa crise não é só da MP 984/20. É dificuldade da TV manter produtos de pé, é retração de anunciantes, é falta de liquidez dos clubes, é excesso de jogos. Mas é também oportunidade. Por trás da imprevisibilidade há uma ordem. O Caos não é necessariamente algo ruim. O Caos anima."

 

LEIA TAMBÉM:

ENTREVISTA EXCLUSIVA: o racismo político e acadêmico por trás do 'Caso Decotelli'

Notícias: Esportes

publicidade

publicidade

© Copyright 2018 - Radar da Bahia - Grupo Radar