publicidade

Brasil

Caso Marielle: 'Operação Tânatos' prende suspeitos de chefiar o Escritório do Crime no Rio

por Neison Cerqueira no dia 30 de June de 2020 às 10:00
Foto: Reprodução / TV Globo

Uma operação conjunta da Polícia Civil com o Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ) iniciaram prendeu ex-policiais e milicianos, investigados por uma série de execuções. Os presos na Operação Tânatos, foram denunciados por chefiar o Escritório do Crime. Eles também são suspeitos de ter envolvimento com a morte da vereadora Marielle Franco e o motorista Anderson Gomes. 

Até o momento dois dos quatro alvos tinham sido presos. São eles os irmãos Leandro e Leonardo Gouvêa da Silva - o Tonhão e o Mad. Um terceiro homem foi preso. A identidade dele não foi divulgada.

As investigações apontam que os denunciados possuíam ligação estreita com Adriano Magalhães da Nóbrega, o Capitão Adriano, morto em confronto com a polícia em fevereiro deste ano, na Bahia. Ainda segundo as investigações, a Polícia Civil sustenta que Mad assumiu o comando do Escritório do Crime com a morte de Adriano.

O juiz Bruno Rulière, da 1ª Vara Criminal Especializada do Tribunal de Justiça do RJ, expediu ao todo quatro mandados de prisão e 20 de busca e apreensão. Todos são suspeitos de atuarem como pistoleiros da quadrilha que praticam execuções por encomenda há mais de 10 anos.

O MP descreve que na atuação do grupo criminoso há emprego ostensivo de armas de fogo de grosso calibre. "A agressividade e destreza nas ações finais revelam um padrão de execução", descreve o MPRJ. "Fortemente armados e com trajes que impedem identificação visual, tais como balaclava e roupas camufladas, os atiradores desembarcam do veículo e progridem até o alvo executando-o sem chances de defesa", emendam os promotores.

A prisão de Leonardo, o Mad ou Paraíba, foi dentro de uma mansão em Vila Valqueire, na Zona Oeste do Rio. Já o terceiro homem, que não era alvo da Operação Tânatos mas tinha um mandado de prisão por homicídio, estava na casa de Tonhão e foi preso.

Procurados e presos

Anderson de Souza Oliveira, o Mugão;

Leandro Gouveia da Silva, o Tonhão, preso;

Leonardo Gouveia da Silva, o Mad ou Paraíba, preso;

João Luiz da Silva, o Gago.

 

LEIA TAMBÉM:

Cratera se forma após trecho de calçada ceder na Federação

Notícias: Brasil

publicidade

publicidade

© Copyright 2018 - Radar da Bahia - Grupo Radar