publicidade

Mundo

“Lockdown pode ter custado vidas”, diz Nobel de Química

por Whaley Emmanoel no dia 26 de May de 2020 às 10:40
Foto: Reprodução

Michael Levitt, cientista britânico vencedor do prêmio Nobel e professor da Universidade de Stanford, afirmou que o isolamento social imposto em vários países por conta da pandemia do novo coronavírus, foi uma perda de tempo e pode matar mais do que salvar vidas.  Levitt declarou  que o “lockdown” adotado pelo governo de seu país foi a “pior decisão” e que pode ter custado vidas. Segundo ele, o governo do Reino Unido poderia ter adotado outras formas de isolamento.

“Acho que pode ter custado muitas vidas. Ele salvou algumas pessoas de acidentes de viação, coisas assim, mas os danos sociais, como abuso doméstico, divórcios, alcoolismo, foram extremos. E você ainda tem aqueles que não foram tratados por outras doenças”, disse o cientista.

Levitt chamou ainda a medida de “medieval” e disse que a epidemia poderia ter sido interrompida de modo mais sensato.

"Não há dúvida de que você pode parar uma epidemia com um lockdown, mas é uma arma muito contundente e medieval, e a epidemia poderia ter sido interrompida com a mesma eficácia com outras medidas sensatas como máscaras e outras formas de distanciamento social", relatou.

O professor de 73 anos, criticou os epidemiologistas que, segundo ele, querem apenas amedrontar as pessoas e depois dizerem que estavam certos.

"O problema com os epidemiologistas é que eles acham que o trabalho deles é amedrontar as pessoas. Então você diz ‘haverá um milhão de mortes’ e quando existem apenas 25 mil você diz é bom que você tenha escutado meu conselho", completou.

 

 

LEIA TAMBÉM:

Bolsonaro diz que "imprensa mundial de esquerda" prejudica sua imagem no exterior

Notícias: Mundo

publicidade

publicidade

© Copyright 2018 - Radar da Bahia - Grupo Radar