publicidade

Política

Bolsonaro divulga vídeo de apoiadora pedindo fim do isolamento e ataca governadores

por Neison Cerqueira no dia 02 de April de 2020 às 13:00
Foto: Reprodução via Poder360

O pronunciamento da última terça-feira (31), em baixa guarda maquiada pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido), serviu apenas para inflamar os eleitores e a mídia, na teoria. A prática adotada pelo Chefe do Planalto é outra e insistente. Mesmo com a recomendação do seu ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, para tratar a pandemia da Covid-19 com mais seriedade, Bolsonaro insiste na retórica de que o coronavírus é uma "gripezinha" e continua atacando governadores e prefeitos. 

Nesta quinta-feira (2), ele ouviu o apelo de uma apoiadora para que determine a reabertura do comércio no País, em meio à pandemia da covid-19. "Pode ter certeza que a senhora fala por milhões de pessoas", respondeu o presidente. Além da retomada dos serviços, ela também solicitou a presença do Exército nas ruas. No vídeo compartilhado por Bolsonaro em suas redes sociais, a mulher se identificou como professora da rede privada e mãe de família. "Não quero dinheiro do governo, eu quero trabalho", disse ela. "Esses governadores querem o que? Eles têm o dinheiro deles", completou.

Bolsonaro pediu na semana passada, em cadeia nacional de rádio e TV, o fim do "confinamento em massa". Como já é de conhecimento, o presidente tem feito críticas a medidas adotadas por estados e municípios, que visam conter o avanço do novo coronavírus, como o fechamento de escolas, shoppings e lojas. Apesar de ser contra, as restrições seguem orientações de organismos de saúde, como a Organização Mundial de Saúde, que aponta o isolamento social como o método mais eficaz de se evitar a propagação da doença, que já causou 37 mil mortes em todo o mundo. No Brasil já são 246, em dados atualizados nesta manhã pelas secretarias estaduais. 

No domingo (30), Bolsonaro foi às ruas e visitou comércios em Brasília, Ceilândia e Taguatinga. "O que eu tenho conversado com o povo, eles querem trabalha", afirmou em meio a apoiadores que se aglomeravam para tirar selfies. Mandetta havia pedido, em reunião tensa, que o presidente não menosprezasse a gravidade da pandemia em manifestações públicas. 

Além dessa apoiadora, outras pessoas também aguardavam a saída do presidente em frente à residência oficial, como ocorre diariamente, mesmo com a recomendação do Ministério da Saúde de evitar aglomerações e de ficar em casa. Uma outra mulher presente no local nesta quinta-feira usou o termo "gripezinha" em sua fala para se referir à covid-19, o mesmo utilizado e endossado pelo presidente Jair Bolsonaro. "É o terceiro câncer que estou vencendo e essa gripe é uma gripezinha. Estou aqui para dizer que sou prova viva, eu não peguei nada. Também não estou dando mole, mas eu não peguei nada", afirmou a mulher. E acrescentou: "Eu tenho a imunidade baixa e não peguei uma gripe sequer, eu não peguei um vento, para mostrar para a nação que o senhor tem razão".

 

LEIA TAMBÉM:

Operação conjunta da SSP apreende seis fuzis na Linha Verde

Notícias: Política

publicidade

publicidade

© Copyright 2018 - Radar da Bahia - Grupo Radar