publicidade

Brasil

Líder do PCC critica Moro e diz: "O PT tinha diálogo com nóis cabuloso"; partido se defende

por Neison Cerqueira no dia 09 de August de 2019 às 11:55
Foto: Reprodução / Istoé

Lideranças da facção criminosa do Primeiro Comando da Capital (PCC) tinham um ‘diálogo cabuloso’ com o PT e criticou o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, de acordo com o Estadão. A conversa foi interceptada pela Polícia Federal, com autorização da Justiça. 

Os telefonemas foram obtidos pela reportagem e captados pela Operação Cravada em abril deste ano. A operação mira o núcleo financeiro da organização. A PF deflagrou a operação em sete estados, em uma investida contra a facção, que terminou com 28 presos e com o bloqueio de 400 ligadas ao PCC. 

De acordo com o relatório de interceptações telefônicas, os indicativos de vínculos da facção com com partidos políticos não estão dentro dos objetivos da investigação e, por conta disso, teria a necessidade de "encerrar a chamada fase sigilosa da investigação”. 

Alexsandro Roberto Pereira, conhecido como "Elias" ou "Veio", um dos alvos da operação, conversou com André Luiz de Oliveira, o "Salim". Elias diz a Salim: “Com nois já não tem diálogo, não, mano. Se vocês estava tendo diálogo com outros, que tava na frente, com nois já não vai ter diálogo, não. Esse MORO aí, esse cara é um filha da puta, mano. Esse cara aí é um filha da puta mesmo, mano. Ele veio pra atrasar”, disse. “Ele começou a atrasar quando foi pra cima do PT. Pra você ver, o PT com nois tinha diálogo. O PT tinha diálogo com nois cabuloso, mano, porque… situação que nem dá pra nois ficar conversado a caminhada aqui pelo telefone, mano. Mas o PT, ele tinha uma linha de diálogo com nois cabulosa, mano….”, diz Elias.

A assessoria de imprensa do PT afirmou em nota que "esta é mais uma armação como tantas outras forjadas contra o PT, e vem no momento em que a Polícia Federal está subordinada a um ministro acuado pela revelação de suas condutas criminosas". "Quem dialogou e fez transações milionárias com criminosos confessos não foi o PT, foi o ex-juiz Sergio Moro, para montar uma farsa judicial contra o ex-presidente Lula com delações mentirosas e sem provas. É Moro que deve se explicar à Justiça e ao país pelas graves acusações que pesam contra ele", defendeu.

 

LEIA TAMBÉM:

Pernambués: operação da polícia apreende cerca de R$ 3 mil em drogas

Notícias: Brasil

publicidade

publicidade

© Copyright 2018 - Radar da Bahia - Grupo Radar