publicidade

Esportes

Roger Machado avalia empate positivo e elogia partida de Artur: "Foi um gigante"

por Neison Cerqueira no dia 11 de July de 2019 às 07:58
Foto: Reprodução / GE

Além do torcedor, o técnico Roger Machado sentiu que o Bahia poderia ter saído de Porto Alegre com uma vitória sobre o Grêmio. Na noite desta quarta-feira (10), os times empataram em 1 a 1, na partida de ida das quartas de final da Copa do Brasil e a decisão será na próxima quarta-feira (17), na Fonte Nova. 

O resultado é positivo, mas para Roger, o time poderia conquistar um resultado ainda melhor, principalmente pelo que foi apresentado no segundo tempo da partida. "Nós fizemos um jogo equilibrado. No intervalo, nas orientações, eu elogiei muita coisa boa, com exceção daquele momento de desatenção numa bola parada, em que o Jean Pyerre achou o Everton nas costas da nossa linha, e que originou o pênalti. Mas que a gente circulasse um pouco mais a bola com tranquilidade, fizesse a bola bater nos corredores, não desejasse acabar a jogada pelo mesmo lado que a gente iniciava a nossa transição. E a gente fez um segundo tempo que talvez nos permitisse até mesmo ter um resultado melhor. Saio satisfeito, mas sabendo que não tem nada decidido, que a outra partida jogada em casa, com apoio da torcida, vai ser muito dura. Mas seguimos motivados e confiantes depois desse empate em Porto Alegre", avaliou.

Jogando diante do seu torcedor, o Grêmio não conseguia entrar na defesa do Bahia. Apesar de ter tido maior posse de bola, o esquema montado por Roger Machado, obrigou o Grêmio a investir nos chutes de média e longa distância. 

A atenção especial era com Everton Cebelinha, que voltou ao Grêmio após ser campeão da Copa América 2019 com a Seleção Brasileira. Roger falou sobre a marcação no atleta. "A gente projeta vários cenários. A gente sabe, como treinador, as alternativas que tem na cabeça. Conheço Renato. Todo mundo sabe a admiração que tenho por ele, já trabalhei com ele como jogador e auxiliar técnico. Sei como pensa um pouco, sua estrutura de jogo. Mas treinamos e imaginamos o Grêmio sob dois aspectos, com meio mais flutuante, com Luan à frente, como foi treinado, isso faria com que a gente tivesse que estar bem curto no campo para impedir as flutuações do Luan. E com centroavante como referência, Vizeu ou André, como veio no caso de hoje, é que teria uma tentativa de empurrar nossa linha para perto do nosso gol e ter mais presença de área para as virtudes pessoais das beiradas e as infiltrações do Jean Pyerre, que a gente sabe que é muito forte, que aconteceu, não numa jogada de bola rolando, porque a gente estava muito atento, mas, infelizmente, numa jogada de bola parada, numa desatenção. Não é surpresa, porque a gente projeta vários cenários, entre eles, esse que entrou em campo", disse.

Se de um lado o Grêmio tem Everton Cebolinha, o destaque do Bahia na noite de ontem foi Artur Victor, o "Pimenta". Foi ele o responsável por puxar os contra-ataques e quase virou a partida nos minutos finais. O atacante escapuliu rápido pela direita, invadiu a área e, cara a cara com Paulo Victor, finalizou para fora. "Artur hoje foi um gigante do nosso lado. Everton do lado deles e Artur do nosso lado. Defensivamente, um gerando problemas e, ao mesmo tempo, soluções para suas equipes", destacou Roger.

O Bahia agora volta a atenção para o Campeonato Brasileiro, onde neste sábado (13), recebe o Santos, às 19h, no estádio de Pituaçu, em Salvador. A partida é válida pela 10ª rodada da competição nacional. O Tricolor ocupa a 8ª colocação com 14 pontos.

 

LEIA TAMBÉM:

Bairro da Paz vai receber programa de iluminação nesta quinta-feira (11)

Notícias: Esportes

publicidade

publicidade

© Copyright 2018 - Radar da Bahia - Grupo Radar