publicidade

Política

Justiça do Rio suspende quebras de sigilos bancário e fiscal de empresa ligada a Flávio Bolsonaro

por Neison Cerqueira no dia 20 de June de 2019 às 12:45
Foto: Edilson Rodrigues / Agência Senado

Uma liminar concedida pelo desembargador Antônio Amado, do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, na última sexta-feira (14), suspendeu as quebras de sigilos bancário e fiscal da empresa MCA Exportação e Participações e um de seus sócios, alvos da investigação que envolve o senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ).

A análise do mandado de segurança apresentado pela firma e por Marcelo Cattaneo Adorno, um de seus sócios. Os termos da decisão são mantidos sob sigilo. O mérito do caso ainda será apreciado pela 3ª Câmara Criminal.

A MCA adquiriu de Flávio Bolsonaro 12 salas comerciais em construção 45 dias depois do senador ter firmado escritura para obter os direitos sobre sete desses imóveis. Na operação, o filho do presidente Jair Bolsonaro lucrou R$ 504 mil, segundo o Ministério Público.

A investigação foi aberta após relatório do Coaf (Conselho de Controle das Atividades Financeiras) apontar uma movimentação atípica de R$ 1,2 milhão nas contas de seu ex-assessor Fabrício Queiroz entre janeiro de 2016 e janeiro de 2017. Flávio Bolsonaro também é investigado por peculato, lavagem de dinheiro e organização criminosa entre 2007 e 2018, quando exercia o mandato de deputado estadual na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro.

A MCA tem como um de seus sócios a Listel, empresa com sede no Panamá. As condições das transações e o envolvimento de uma offshore sediado num paraíso fiscal dão indícios, para o Ministério Público, da prática de lavagem de dinheiro. Apesar das investigações darem indícios de crimes, o senador nega as suspeitas e afirma se tratar de operações imobiliárias legais.

 

LEIA TAMBÉM:

MAIS UM CASO! Turista chileno é assaltado e agredido no Mercado Modelo

Notícias: Política

publicidade

publicidade

© Copyright 2018 - Radar da Bahia - Grupo Radar