publicidade

Economia

Déficit por servidor aposentado é 10 vezes maior que o de inativo do setor privado, revela Tesouro

por Isabela Rocha no dia 12 de June de 2019 às 20:43
Foto: Reprodução

O déficit da Previdência Social por beneficiário no ano passado foi de R$ 115 mil entre militares; de R$ 63 mil entre servidores públicos e de R$ 6,4 mil entre trabalhadores do setor privado. Esses números são do Relatório Contábil do Tesouro Nacional divulgados nesta quarta-feira (12). Isso quer dizer que, individualmente, o déficit dos militares inativos custa aos cofres públicos, por pessoa, 18 vezes mais que o dos trabalhador do setor privado e o do servidor público, 10 vezes mais. As informações são do G1.

Em termos absolutos, porém, o rombo previdenciário é maior no Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) – sistema público que atende aos trabalhadores do setor privado. No ano passado, esse déficit somou R$ 195,197 bilhões, contra R$ 46,4 bilhões dos servidores públicos e R$ 43,9 bilhões dos militares – totalizando R$ 290,2 bilhões. Isso ocorre porque o número de beneficiários do setor privado é muito maior que o de militares e servidores públicos aposentados.

No fim de 2018, por meio do INSS, o governo pagou 35 milhões de benefícios, dos quais 30,27 milhões de benefícios previdenciários e 4,78 milhões acidentários (Benefício de Prestação Continuada e Renda Mensal Vitalícia). No fim de 2017, os servidores públicos aposentados eram 436 mil, além de 300 mil pensionistas. Os militares inativos somavam 158 mil.

"Enquanto o déficit por beneficiário do sistema de proteção dos militares ficou em R$ 115 mil em 2018, o do RGPS [Regime Geral de Previdência Social] ficou em R$ 6,4 mil e o do RPPS [Regime Próprio de Previdência Social, dos servidores] em R$ 63 mil. Como o número de beneficiários do RGPS, no entanto, é bem maior que os dos outros dois sistemas, seu rombo em relação ao PIB é disparadamente o mais elevado: 2,85%, ante 0,68% dos servidores civis (RPPS) e 0,64% dos militares", informou o Tesouro Nacional.

 

LEIA TAMÉM:

Rodrigo Maia quer votar Previdência na Comissão Especial no próximo dia 25

 

Notícias: Economia

publicidade

publicidade

© Copyright 2018 - Radar da Bahia - Grupo Radar