publicidade

Política

ONG de ministra que comandará Funai já foi processada por discriminar índios

por Paulo Araújo no dia 07 de December de 2018 às 12:46
Foto: Reprodução/Agência Brasil

A indicação de Damares Alves para o Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos, causou polêmica em torno do futuro governo Jair Bolsonaro.

Entre as atribuições da pasta, está a administração da Fundação Nacional do Índio (Funai). Damares, que é pastora evangélica é vista como defensora da atuação religiosa e missionária em aldeias indígenas.

A futura ministra envolveu-se em polêmica após a ONG Movimento Atini - Voz Pela Vida, da qual é fundadora, ser pocessada pela produção de um documentário que, segundo o Ministério Público Federal (MPF), tinha como objetivo chamar atenção acerca do tema ‘infanticídio indígena’ e legitimar as ações missionárias no interior das comunidades indígenas”. 

Segundo o MPF, o filme “gerou profunda indignação na sociedade, gerando manifestações preconceituosas e discriminatórias em face das comunidades indígenas”. A ação foi movida contra a ONG em 2015 e a Justiça pediu a imediata retirada do material de sites ligados à instituição.

 

Com informações de O Estado de S. Paulo

 

LEIA MAIS:

NOVIDADES: Metrô terá dois novos trens e intervalo entre viagens reduzido

Notícias: Política

publicidade

publicidade

© Copyright 2018 - Radar da Bahia - Grupo Radar