publicidade

Polemizando

Com queda de Vitória e Sport, Bahia assume o papel de protagonista do Nordeste

por Neison Cerqueira no dia 04 de December de 2018 às 16:20
Foto: Divulgação

Quem diria...

Um clube que chegou a passar anos entre as Séries B e C do Campeonato Brasileiro chegaria com o status de protagonista da Região Nordeste em 2019. Não existiu fórmula e sim responsabilidade e comprometimento. A democracia no Bahia foi o estopim para o clube se reerguer. 

De 2014 para cá, as responsáveis administrações desde a intervenção, foram necessárias para recolocar o Esquadrão de Aço nos trilhos. O clube que viu o CT do Fazendão quase ser jogado no lixo, assim como as gloriosas conquistas do clube, abraçou a democracia e devolveu ao torcedor o sorriso e o orgulho de torcer pelo campeão dos campeões.

Desde a democratização e a crescente profissionalização do clube, foram conquistados três títulos baiano (2014, 2015 e 2018) e uma Copa do Nordeste (2017). Dito isto, permeia as várias ações criadas pela direção para que o clube pudesse crescer em número de sócios  - imprescíndivel para o aumento de receita  -, além de outras conquistas como patrocínios e cota de TV. 

A temporada de 2018 ficou marcada pela perda do título do Nordeste, mas deixou o torcedor com aquele gostinho de que ‘poderia ter sido melhor’. E poderia mesmo. O Bahia chegou até as quartas de final da Copa do Brasil sendo eliminado pelo Palmeiras em jogo duro no Pacaembú (derrota por 1 a 0), e na Copa Sul-Americana, diante do Atlético Paranaense, quando marcou quatro gols para valer um (eliminado nos pênaltis depois de vencer por 1 a 0 no tempo normal na Arena da Baixada). Além disso, a equipe finalizou o Brasileirão na 11ª colocação, melhor posição do clube desde e era dos pontos corridos, com 48 pontos. O Bahia também foi o clube mais atuou na temporada. Ao todo, foram 75 partidas e 94 gols anotados em 2018.

O rebaixamento do arquirrival Vitória e do Sport para a Série B, coloca o Tricolor em patamar elevado e com total protagonismo do Nordeste na próxima temporada. O Bahia terá a maior receita da região  - e do clube  - no próximo ano. Ao todo, serão R$ 140 milhões. Neste ano, foram R$ 119 milhões. Já em 2017, o clube teve receita de R$ 95 milhões. No entanto, o investimento no futebol será criterioso.

Acostumado a mapear o mercado, a diretoria manterá a cautela e não deverá fazer nenhum absurdo no quesito contratação. É o velho ditado: “Cada qual pendura o chapéu onde o braço alcança”. E está certo. Em 2019 serão cinco competições: Campeonato Baiano, Copa do Nordeste, Copa do Brasil, Copa Sul-Americana e Campeonato Brasileiro. Com o calendário apertado  - haverá Copa America ano que vem  -, a diretoria precisará montar um elenco forte para dar conta da maratona de jogos - de novo.

Para o torcedor uma palavra: expectativa.

A próxima temporada promete e só quando a bola voltar a rolar saberemos o que o Tricolor irá almejar dentro das quatro linhas, porque fora dela, deu show de humanidade e empatia nesta temporada. O torcedor, apesar de ávido por resultados positivos e conquistas de títulos, precisa entender que o clube, em constante metamorfose, vai colher o que tem plantado. E não são poucas as sementes deixadas ao longo desta temporada. Na colheita, quem sabe, a massa azul, vermelha e branca volte a ecoar aquele grito que está entalado na garganta. Agora só resta torcer.

 

Confira o que dizem os torcedores:

 

"O ano de 2018 foi positivo, mesmo com apenas o título do campeonato baiano. Acredito que o time vem em uma crescente e a expectativa para 2019, com um orçamento maior, é a conquista do Baiano, Nordeste e uma vaga na Libertadores. Quem sabe um título internacional com a Sul-Americana", disse Júnior Ferreira, do Costa Azul. 

"A temporada 2018 para mim foi boa, apesar de ter perdido a Copa do Nordeste para o fraquíssimo Sampaio Corrêa. Só não está na final da Sul-Americana por ter sido garfado pela arbitragem, pois pegando o Fluminense na semifinal passava fácil. A expectativa para 2019 é que alcance coisas maiores, que ganhe o Baiano, o Nordeste e que chegue até uma classificação para a pré-Libertadores ou até classificação diretamente para fase de grupos", avalia João Xavier, de Itapuã. 

"A expectativa para 2019 são as melhores. Apesar de achar que vamos encontrar certa dificuldades de repor as peças que saíram. Acredito que, apesar do tropeço desse ano na Copa do Nordeste, chegaremos fortes na competição mais uma vez. No Campeonato Baiano também, porém teremos que ver como será a questão do time né? Se iremos com profissional ou com o Sub-23. Acredito também que podemos chegar longe na Sul-Americana e conquistar o titulo se a tratarmos com um obejtivo. A Copa do Brasil dá para fazer uma campanha melhor. Competir com os melhores elencos do País que vêm da Libertadores fica complicado, apesar de que enfrentamos um Palmeiras de igual pra igual esse ano. Quanto ao Campeonato Brasileiro, acho que pouco a pouco estamos evoluindo e conquistando mais espaço. Torço pela primeira parte da tabela, ali entre os oito primeiros, mas não me "surpreenderia" com outro 11º ou 12º lugar. Sem aqueles sustos de cair", analisa Ruan Araújo, da Liberdade. 

 

 

Notícias: Polemizando

publicidade

publicidade

© Copyright 2018 - Radar da Bahia - Grupo Radar