publicidade

Saúde & Bem Estar

Estudo afirma que álcool prejudica a saúde mesmo com moderação

por Jones Araújo no dia 24 de agosto de 2018 às 10:43
Foto: pixabay

Um estudo global publicado nesta sexta-feira (24), pela revista de medicina The Lancet revela que o consumo de álcool, até mesmo moderado, pode estar associado à uma série de prejuízos à saúde. Segundo o estudo, só em 2016, quase 3 milhões de pessoas morreram ao redor do mundo devido a causas ligadas ao álcool, incluindo 12% das mortes entre homens de 15 e a 49 anos.

Cerca de 500 colaboradores de mais de 40 nacionalidades associados ao Global da Carga de Doenças (GBD), participaram do estudo. No total, foram consultadas 694 fontes sobre o consumo de álcool, além de 592 estudos sobre os riscos da bebida.

Foi avaliado resultados e padrões do consumo de álcool relacionados à saúde entre os anos 1990 e 2016, em 195 países e territórios; além de analisar relações entre idade e gênero. Os dados de todas as mortes relacionadas ao álcool foram usados pelos pesquisadores, sem distinguir entre cerveja, vinho, licor e confrontaram com resultados na saúde para determinar essas conclusões.

Em 2016, mais de 2 bilhões de pessoas consumiram álcool ao redor do mundo, dos quais 63% eram homens. Alguns dos países com as populações que mais consomem álcool são a Dinamarca, Noruega, Argentina, Alemanha, Polônia, França, Coreia do Sul, Suíça, Grécia, Islândia, Eslováquia, Suécia e Nova Zelândia. Já entre os mais “sóbrios” estão o Paquistão, Bangladesh, Egito, Mali, Marrocos, Senegal, Mauritânia, Síria, Indonésia, Nepal, Butão, Myanmar e Tunísia.

Os paises onde tem  mais casos fatais estão concentrados na região dos Países Bálticos, do Leste Europeu e da Ásia Central: Rússia, Ucrânia, Lituânia, Bielorrússia, Mongólia, Letônia, Cazaquistão, Lesoto, Burundi e República Centro-Africana.

 

Leia também:

CRISE: Venezuela ameaça cortar energia de Roraima

 

Notícias: Saúde & Bem Estar

publicidade

publicidade

© Copyright 2018 - Radar da Bahia - Grupo Radar