publicidade

Política

CORRUPÇÃO: Delação da JBS rende 91 investigações contra políticos e autoridades

por Isabela Rocha no dia 17 de maio de 2018 às 06:31
Foto: Agência Brasil
A delação da JBS, que começou há um ano já rendeu 91 investigações contra políticos e agentes públicos. Entre os crimes estão corrupção, lavagem de dinheiro, organização criminosa e caixa dois em diversas esferas. Os dados foram levantados, a pedido da Folha de S. Paulo, pela Procuradoria-Geral da República (PGR).

Os depoimentos de delação dos executivos da empresa levaram a duas denúncias contra o presidente da República, Michel Temer. As investigações, o entanto, foram barradas pela Câmara dos Deputados. Em uma delas, Temer é acusado de ter se aproveitado da condição de chefe do Poder Executivo para receber, por intermédio de um ex-assessor, Rodrigo Rocha Loures, “vantagem indevida” de R$ 500 mil. O valor teria sido ofertado pelo empresário Joesley Batista, dono do grupo JBS.

Na segunda denúncia, o presidente e parlamentares do MDB, que também constam na denúncia, são acusados de participação em suposto esquema de corrupção envolvendo integrantes do partido na Câmara, com objetivo de obter vantagens indevidas em órgãos da administração pública.

O senador Aécio Neves (PSDB-MG) foi outro alvo dos executivos do grupo, e é acusado de corrupção e obstrução de Justiça, de acordo com informações da Folha de São Paulo. Além deles, outros nove aliados do presidente foram encurralados e passaram a responder por organização criminosa na Justiça Federal em Brasília, entre eles o ex-ministro Geddel Vieira Lima (MDB-BA) e dois amigos de Temer, o coronel João Baptista Lima Filho e o advogado José Yunes.

Atualmente, o acordo de colaboração firmado pelos executivos aguarda posicionamento do Supremo Tribunal Federal (STF) sobre uma possível rescisão, depois de eles terem sido acusados de omitirem informações aos investigadores da Lava Jato.

Dessa forma, os delatores podem ter os benefícios suspensos, inclusive a imunidade que os impedia de serem processados criminalmente. O pedido foi feito pelo então ex-procurador-geral Rodrigo Janot, em setembro do ano passado.

O Ministério Público Federal (MPF) já ofereceu três denúncias somente contra Joesley à Justiça. Mesmo confirmada a rescisão, não está descartado que os investigadores peçam redução de penas para os executivos mais adiante. A PGR informa que essa possibilidade, no entanto, será avaliada caso a caso, ao fim dos processos, conforme o impacto das delações para elucidar os crimes.

Os irmãos Batista, segundo seus interlocutores, alegam estar hoje em situação pior que a dos próprios delatados, pois ficaram mais tempo presos e devem enfrentar várias denúncias baseadas em provas que eles próprios apresentaram e não podem refutar.

Wesley e Joesley passaram, respectivamente, cinco e seis meses na cadeia. O procurador da República Ângelo Villela, denunciado por vazar investigações à JBS, foi o delatado que mais tempo amargou no regime fechado: menos de três meses.


LEIA TAMBÉM:


Em depoimento no Senado, ex-técnico da seleção brasileira de ginástica nega acusações

Notícias: Política
© Copyright 2016 - Radar da Bahia - Grupo Radar