publicidade

Política

Inquérito contra Alckmin é mantido com promotoria

por Mateus Carmo no dia 15 de maio de 2018 às 16:26
Foto: © REUTERS/Leonardo Benassatto
Nesta terça-feira (15), o procurador-geral de Justiça de São Paulo, Gianpaolo Poggio Smanio anunciou que o inquérito contra o ex-governador Geraldo Alckmin (PSDB), suspeito de receber R$ 10,3 milhões da Odebrecht, via caixa 2, durante as campanhas eleitorais para governador de 2010 e 2014, vai prosseguir na Promotoria do Patrimônio Público e Social da capital paulista. O tucano nega.

Vale ressaltar que na semana passada, o procurador tinha solicitado uma "remessa imediata" do inquérito civil, a fim de avaliar a quem caberia a competência para investigar o caso, depois de um pedido feito pela defesa do ex-governador.

Segundo informações do portal G1, os advogados de Alckmin argumentam, que o "caso se circunscreve à esfera eleitoral e que a atribuição para investigar eventual improbidade administrativa é do procurador-geral".

O promotor Ricardo Manuel Castro, da Promotoria de Patrimônio Público e Social de São Paulo, que estava responsável pelo inquérito, recorreu ao Conselho Nacional do Ministério Público por discordar da decisão de Gianpaolo Smanio.

O pré-candidato a presidência deixou o governo de São Paulo para concorrer à eleição presidencial de outubro pelo PSDB e, com isso, perdeu o foro privilegiado.


LEIA TAMBÉM:

SSP-BA: quase cinco toneladas de maconha, cocaína e crack são apreendidas na Bahia em cinco meses

Notícias: Política

publicidade

publicidade

© Copyright 2018 - Radar da Bahia - Grupo Radar