publicidade

POLÍTICA

STF decide que afastamento de parlamentares depende de aval do Congresso

por Isabela Rocha no dia 12 de outubro de 2017 às 08:30
Foto: Reprodução / STF

Nesta quarta-feira (11), em votação apertada (6 a 5), desempatada pela presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), Cármen Lúcia, a maioria dos ministros da corte decidiu que medidas cautelares contra parlamentares, como o afastamento do mandato, precisam ser submetidas ao aval do Legislativo.

O relator da ação, Edson Fachin, votou pela improcedência -para ele, medidas cautelares determinadas pelo STF não devem ser submetidas ao Congresso. Luís Roberto Barroso, Rosa Weber, Luiz Fux e o decano Celso de Mello seguiram o relator.

Já Alexandre de Moraes, Dias Toffoli, Ricardo Lewandowski, Gilmar Mendes, Marco Aurélio e Cármen Lúcia entenderam que a palavra final sobre o afastamento de um parlamentar cabe ao Congresso.

Para as três legendas que ajuizaram a ação, uma vez determinadas contra parlamentares medidas cautelares alternativas à prisão preventiva, o tribunal deve remeter os autos em até 24 horas para a respectiva Casa Legislativa avalizá-las ou suspendê-las.

No julgamento desta quarta, prevaleceu a tese em favor da “independência entre os poderes” e da “imunidade parlamentar”. Esses princípios da Constituição buscam evitar interferência indevida do Judiciário sobre o Legislativo e proteger deputados e senadores, pela condição de representantes políticos eleitos

A decisão do STF nesse julgamento tem impacto direto sobre o senador Aécio Neves (PSDB-MG), afastado do mandato pela maioria da Primeira Turma da corte no final de setembro. O caso gerou desgaste entre o Senado e o Supremo.

 


LEIA OUTRAS NOTÍCIAS

Fiscais encontram 118 crianças em situação de trabalho infantil

Notícias: POLÍTICA
por Alessandro Granda no dia 19 de outubro de 2017 às 19:48 em
por Alessandro Granda no dia 19 de outubro de 2017 às 18:01 em
por Elaine Silva no dia 19 de outubro de 2017 às 17:53 em
por Alessandro Granda no dia 19 de outubro de 2017 às 16:11 em

publicidade

publicidade

© Copyright 2016 - Radar da Bahia - Grupo Radar